† theme sepulturas †
Sento-me na cadeira da sala. A escuridão toma conta de minha casa, mas como conheço bem o local, sei onde tudo está. Meus olhos ainda não se acostumaram com a escuridão devastadora. Minha cabeça está girando a toda velocidade, não consigo pensar em uma mesma coisa nem sequer por um minuto. Maldição. Por que eu fui acreditar nele? Por que eu fui me apaixonar por ele? Por que eu deixei que minha vida acabasse por ele? Por quê? Estou chorando loucamente. Afasto com o dedo indicador o meu cabelo do rosto.
Por que nada que eu faço da certo? Por que minha vida nunca vai pra frente? Por que eu nunca consigo sair do abismo em que me encontro agora? Nenhum dos meus porquês são respondidos, nenhum compreendido.
Pego a garrafa de um uísque barato que comprei no mercadão e viro na boca. O líquido quente desce queimando minha garganta, mas me sinto aliviada. Sei que este alivio dura não mais que alguns minutos, então bebo novamente, uma dose maior desta vez.
Grito com toda minha força, até todo ar sair de meus pulmões. Vou até o armário da cozinha e pego um álcool e uma caixinha de fósforos. No meu quarto pego um estilete, que outrora era usado para apontar os lápis que eu costumava me maquiar. Nunca mais farei isso, não tenho motivos. Para aquele que eu sempre procurei ser bela, não quer mais saber de mim. Sinto que estou na beira de um precipício, e que estou prestes a cair.
De volta a sala, derramo o álcool sobre o sofá e crio um caminho molhado entre a este e o rac. Sento-me novamente na cadeira. Acendo o fósforo de o jogo no sofá. De repente a sala ficou exuberantemente clara. Eu sorri ao ver o fogo consumindo o móvel. Com o estilete, cortei profundamente os meus pulsos, urrando de dor. O sangue quente escorria entre meus dedos, minha veia agora esguichava sangue. Ainda gritando, deito-me sobre o sofá em chamas, e fico ali, apenas esperando a morte vir me buscar. Meus gritos não param. Sinto o fogo me envolver, sinto meus cabelos transformarem-se em pó. Então um tenho um vislumbre do rosto dele, o rosto que me causou tanta dor. Só então percebo que ele não está na minha mente, e sim na minha frente, gritando loucamente. Minha casa agora é um musical de gritos frenéticos. Água gelada cai sobre o meu corpo, mas não adianta, Dona Morte chegou primeiro.
— Ricardo Martins

A Terra é o matadouro de Deus e nós, somos seu gado.
Henry M.

Sorrisos em meu rosto hoje em dia se tornou coisa rara.
Ricardo Martins

"Eu estou bem". Lágrimas brotaram no meu rosto quando disse isso. Eu não estava nada bem, mas era mais fácil mentir do que contar toda a verdade.
Sepulturas

Nem todos aqueles que fazem da sua casa a igreja, são dignos da santidade.
Ricardo Roffe, Sepulturas.

Eu sou o arquiteto da minha própria infelicidade.


#ri1  
1 year ago · 50 notes · reblog
originally sepulturas · via sepulturas

Eu sou o arquiteto da minha própria infelicidade.


Se todos os planos que faço antes de dormir se realizassem, eu seria a pessoa mais feliz do mundo. (-restrito)


  • O horizonte eu já não enxergo mais. Tudo está tão difícil, não vejo mais nada, não vejo mais solução para os meus problemas. Foi tudo tão derre-pente, foi como se uma neblina bem densa pairasse ao meu redor, tampando a minha visão. Não consigo mais enxergar as minhas metas. Não consigo mais olhar alem de mim. Estou perdido nesse meu mundo caótico de tristeza e confusão.[…] Não escuto mais a sua voz, isso me deixa ainda mais preocupado. Estou sozinho, e dessa vez eu mesmo tenho que resolver esse problema, não estou sendo orgulhoso, egoísta é só que este problema fui eu quem fiz ,e será eu quem o desfazerá.[…] Quero a minha vida de volta, quero poder enxergar além de mim. Quero acabar com essa neblina que me cerca de uma vez por todas, quero voltar a enxergar as minhas metas, o meu horizonte.  (-restrito)

Se um dia eu te disser que eu nunca irei te deixar, pode ter certeza de que será uma das coisas mais verdadeiras que eu irei te dizer. (-restrito)


Ricardo Coutins, 16 anos, capixaba. Amante de séries, livros e filmes. Comum como qualquer outro menino. Gosto de escrever contos e histórias que geralmente nunca publico em lugar nenhum, mas caso queira ler, só me pedir. Lana del Rey, Beyoncé e Thirty Seconds to Mars ♥
1 2 3